Amável, mas sem esconder sua irritação, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro(MDB), chamou de missa encomendada o encontro realizado pelo seu partido na Pousada Penhasco, em Chapada dos Guimarães(68 km distante de Capital), no início da semana. Ao justificar sua ausência ao evento e a participação do governador democrata Mauro Mendes e de boa parte de seu staff.

A declaração foi dada em conversa com jornalistas nesta última terça-feira(20), no auditório da Secretaria Municipal de Educação, no evento de assinatura do manifesto de apoio a Lei 685/2021, que trata da expansão do sistema ferroviário de Mato Grosso.

A declaração foi dada em conversa com jornalistas nesta última terça-feira(20), no auditório da Secretaria Municipal de Educação, no evento de assinatura do manifesto de apoio a Lei 685/2021, que trata da expansão do sistema ferroviário de Mato Grosso.

Para o emedebista, que há um bom tempo vive às turras com o gestor estadual democrata – em ataques e contra-ataques infindáveis -, a reunião foi feita para ‘servir de palanque e aplaudir Mendes’. E que o ‘único encontro que poderá ter com o governador de Mato Grosso, seria nas urnas’.

“Reunião para servir de palanque armado para o governador, não vai contar com a minha presença de novo. Toda reunião que me chamam é para bater palma e tomar chá das 17h com o governador do Estado. Não fui chamado para nenhuma reunião para debater Mato Grosso ou Cuiabá”, ainda disse incisivo.

Pinheiro buscou, contudo, retirar das críticas, o presidente de seu partido, o deputado federal Carlos Bezerra que, pessoalmente, convidou o governador para participar do evento. Garantindo que entre ambos estaria tudo muito bem conversado. Mesmo que Bezerra não tenha economizado elogios à gestão estadual, ao assegurar que o partido estará junto até o final do mandato de Mendes.

Já há outros colegas de sigla, Emanuel não poupou ressalvas. E mesmo sem citar nomes, afirmou que em uma eventual disputa ao Palácio Paiaguás, em 2022, alguns deputados deverão ser deixados de lado, por não representarem o povo. Se referindo, muito possivelmente, aos parlamentares estaduais, de seu partido, Janaina Riva e Dr. joão ou ainda Juarez Costa, deputado federal, que por várias vezes têm dito que caso o prefeito da capital queira ‘se aventurar’ numa disputa à Governadoria, que busque outro partido, porque no MDB não haveria espaço pra ele’.

Como têm feito mais, sistematicamente, Dr.João e Janaina, ambos chegando a ironizar a performance eleitoral do prefeito da capital, apontando que Emanuel não teria votos no interior do Estado, onde ‘nem ao menos é conhecido’.

Ou ainda como disse, recentemente, a parlamentar Janaina Riva, que ao lembrar do último pleito, ano passado, apontou que em um colegio eleitoral de mais de 184 mil votantes, Emanuel teria sido reeleito com um pouco mais de seis mil votos. Ao disputar o segundo turno com o ex-vereador Abílio Junior(Podemos). Chegando a apontar ‘que foi Abílio quem perdeu e não Pinheiro que teria ganho’.

Para Pinheiro, a eleição com seu nome na disputa, ainda é uma incógnita e pouco provável, mas caso ocorra ‘seu tête-à-tête seria com o povo cuiabano’. “O dia que eu for me candidatar, que é muito pouco provável, o meu tête-à-tête seria com o povo cuiabano”.