Francisco ainda avalia que guerra serve para testar novas armas e diz estar disposto a ir até Moscou

Papa Francisco assegurou que está disposto a viajar para Moscou e se reunir com o presidente da RússiaVladimir Putin, na tentativa de parar a guerra na Ucrânia, que comparou com a de Ruanda, na África. “Tenho que ir a Moscou primeiro, tenho que me encontrar com Putin primeiro”, disse o papa argentino ao jornal italiano ‘Il Corriere della Sera’ em entrevista publicada nesta terça, 3. “Como é possível que não se detenha tanta brutalidade? Há vinte e cinco anos, com Ruanda, vivemos a mesma experiência”, afirmou o papa, referindo-se ao genocídio de Ruanda, em 1994, onde ocorreu a tentativa de extermínio da população tutsi por parte do governo hegemônico Hutu, em que 800 mil pessoas morreram, segundo números da ONU.