Mesmo diante da pandemia da covid-19 o governo Mauro Mendes (DEM) continua consolidando o equilíbrio fiscal em suas contas, arrecadando quase R$ 5 bilhões a mais que o mesmo período do ano passado. Entre janeiro e maio deste ano, o Tesouro Estadual já arrecadou R$ 16.341.892.711,62, contra uma arrecadação no mesmo período de 2020 de R$ 11.475.893.160,23. Isto representa R$ 4.865.999.551,39, ou 29,78% a mais.

A situação é tão privilegiada que o próprio chefe do Poder Executivo de Mato Grosso, chegou a marcar uma coletiva para anunciar que a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) que faz a avaliação das finanças estaduais e municipais, teria elevado a nota de Mato Grosso de C para A.

No terceiro ano da gestão Pedro Taques, 2017, Mato Grosso foi rebaixado em sua nota pelo Tesouro Nacional por descumprimento no pagamento das dívidas externas do Estado, justamente a que o governador Mauro Mendes com a ajuda da bancada federal conseguiu renegociar e repactuar com maiores prazos e menores valores a serem desembolsados.

“Essa nota A abre novas perspectivas e atrai novos investidores”, disse Mauro Mendes, sem, no entanto, lembrar da injeção de recursos federais por causa da pandemia, junto com a renegociação da divida externa, drástica redução no pagamento das dividas internas com a União e também a reforma administrativa que realizou no Poder Executivo, elevaram seu patamar de receita e permitem a execução de obras do Programa Mais MT, que prevê investimentos da ordem de R$ 9,5 bilhões até o final de 2022.

Em janeiro de 2021 foram arrecadados R$ 3 bilhões contra R$ 2,3 bilhões de janeiro do ano passado, uma diferença a maior de R$ 673.081 milhões.

Em fevereiro de 2021 comparado com fevereiro de 2020, essa diferença a maior é mais explicita atingindo R$ 731.563 milhões se subtrairmos a receita de fevereiro deste ano que somou R$ 3.263.047 menos a receita de fevereiro de 2020 que totalizou R$ 2.531.484 milhões