Partida ocorre nesta segunda-feira (11), às 19h (de Cuiabá) pelo fechamento da 25ª rodada da Série A

O Cuiabá recebe o São Paulo na noite desta segunda-feira (11), na Arena Pantanal, no fechamento da 25ª rodada da Série A do Brasileiro. O jogo começa às 19 (horário de MT) e os portões do estádio serão abertos às 17h.

Vindo de empate com o Grêmio fora de casa, o Dourado entra em campo com um objetivo claro: vencer. É que o time ocupa a 12ª posição com 30 pontos e está apenas quatro à frente da zona do rebaixamento.

Se vencer o tricolor paulista, o Auriverde chega nos 33 pontos e abre sete sobre o Bahia, que tem 26 e é o melhor colocado entre os que estão na zona de rebaixamento. Caem para a segunda divisão os quatro piores times do campeonato.

Já o São Paulo tem 29 e se vencer vai a 32, superando o Dourado.

A estratégia, segundo o treinador Jorginho, é ter bastante atenção na área defensiva.

“O São Paulo é um equipe que joga em cima, que pressiona em alguns momentos com uma linha de cinco. E é difícil marcar assim. Precisamos ter bastante atenção, marcar forte”, disse.

No primeiro turno, os times empataram em 2 a 2, no Morumbi.

Jorginho falou sobre a dinâmica do campeonato e de como as equipes vem enfrentando altos e baixos.

“É muito dinâmico o nível da Série A. Equipes que jogam em casa como o Atlético-PR perdem e fora ganham de três. Depois volta pra casa e perde. É muito nivelado mesmo”, disse.

“A Chapecoense é o clube que está tendo mais dificuldades de encontrar uma vitória, que já aconteceu, mas todas as outras equipes têm seus altos e baixos. Só o Atlético-MG que está numa fase superior às outras”, acrescentou.

Para o duelo contra o tricolor paulista, o comandante tem o retorno do zagueiro Paulão, que cumpriu suspensão na última rodada. A baixa é do atacante Danilo Gomes, que pertence ao São Paulo.

Segundo Jorginho, diante da pandemia, o rodízio de jogadores já é algo natural.

“Temos usado a maioria dos jogadores do elenco, temos posições que temos revezado bastante por necessidade de jogo. Eu quero sempre manter uma base titular, mas às vezes não é possível até mesmo diante do calor, das dificuldades que a gente enfrenta, até mesmo da complexidade do jogo em relação ao adversário”, pontou.