logo

O deputado estadual Gilberto Cattani (PSL), que assumiu a vaga de Silvio Fávero morto por covid, começa a ser julgado no dia 1º de junho pelo Tribunal Regional Eleitoral (PRE) em processo que questiona a sua fidelidade partidária.

O médico Emílio Populo Souza Machado (PSL), segundo suplente, requereu a sua posse no cargo de deputado estadual na vaga deixada por Silvio Fávero.

O médico alega que Cattani deixou o PSL e se filiou em outra sigla. Argumenta ainda que ele disputou pelo PRTB a vaga de suplente de senador na eleição suplementar de 2020.

Isso, no seu entendimento, caracateriza infidelidade partidária.