Após artigo em que detona a compra de celulares tops de linha pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), o delegado Flávio Stringueta foi afastado da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). Ele foi comunicado pela Diretoria da Polícia Civil nesta segunda-feira sobre o afastamento.

A decisão foi tomada pelo Conselho Superior de Polícia (CSP).

No artigo, o delegado afirma que “não existe instituição mais imoral que o MPE/MT, que senta na própria moralidade e fala das ilegalidades das outras instituições”. Ele também critica o recebimento de auxilio moradia por membros da instituição, além de eles terem direito a 2 meses de férias anualmente. Leia o artigo aqui.

Eu fui chamado à Diretoria hoje e fui informado que não era mais delegado da GCCO. Eu não quero tecer mais comentários sobre isso porque eu respeito muito a decisão da Diretoria. São ideias diferentes, eu fiz minha colocação e não foi de acordo com o que a Diretoria imagina certo. Paciência”, disse Stringueta ao .

O delegado afirma que não se arrepende ter escrito o artigo e que já havia feito o mesmo em 2017, mas não teve a repercussão que teve agora. O delegado ainda disse que ainda não foi conversado se ele vai assumir a titularidade de outra delegacia.

A COMPRA DO MP

A licitação foi concluída em novembro de 2020 e prevê a aquisição de 201 celulares Iphone 11 Pro Max, com preço unitário de R$ 8.376, sendo que o gasto total de R$ 1,6 milhão só com Iphones. Além disso, também prevê aquisição de 64 celulares Galaxy Note 20 Ultra 5 G com preço unitário de R$ 6.328, totalizando um gasto de R$ 404 mil.