O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB) afirmou que os parlamentares não irão aceitar posturas de secretários do Governo que tentam atuar pensando nas eleições de 2022.

Sem citar nomes, o presidente do Legislativo explicou que secretários do Executivo de Mato Grosso estão lançando obras e ações no interior do Estado sem comunicar aos parlamentares.

Os deputados, segundo Russi, seriam os entendedores reais da situação dos municipios e quem faz as indicações para o Governo atuar no interior.

A crítica foi levada ao governador Mauro Mendes (DEM) durante reunião no Palácio Paiaguás na semana passada.

Não podemos aceitar que a dois anos da eleição, tenha qualquer trabalho político dentro de qualquer secretaria de Estado

“Alguns secretários tomam iniciativas sem comunicado ou conversar com os deputados. Teve debate e [a reclamação] é legítima por parte dos deputados. Não podemos aceitar que a dois anos da eleição, tenha qualquer trabalho político dentro de qualquer secretaria de Estado”, disse o presidente ao sair da reunião.

De acordo com Russi, a Legislação veda qualquer atuação política por parte dos secretários de Estado. E isso, será combatido pelo Legislativo.

“Isso é o que a lei fala: os deputados são vigilantes da lei e nós vamos ficar fiscalizando isso. E nós não vamos aceitar que isso venha a acontecer”.

“O secretário muitas vezes estava indo em regiões e pautas que são cobradas pelos deputados em todas as sessões, todos os dias. O deputado acaba sendo para-choque, recebe a demanda dos vereadores, as cobranças e muitas vezes não era nem comunicado disso [lançamentos]”, disse.

O presidente do Legislativo não revelou quais seriam os nomes do Executivo a “atropelar” as indicações dos parlamentares.

Ocorre que, em declaração recente, a deputada Janaina Riva (MDB) citou que secretário de Agricultura Familiar (Seaf), Silvano Amaral, estava fazendo entregas em regiões de Mato Grosso, de forma a “invadir” bases eleitorais dos deputados.