O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), defendeu nesta quinta-feira (25) que o Estado aplique na Previdência estadual (MTPrev) o dinheiro que foi desviado por atos de corrupção e recuperados pelos órgãos de controle.

 

A afirmação foi feita durante evento no Palácio Paiaguás. Segundo Russi, a ideia seria uma forma de tentar diminuir o rombo da Previdência – que este ano está estimado em R$ 674 milhões – e evitaria a retomada da discussão sobre alíquotas por um longo prazo.

 

Isso porque, para o presidente, apenas recursos provenientes da contribuição patronal e dos servidores não irão sanar o problema.

 

“Só com isso não teremos Previdência viável nunca. Como a população felizmente está vivendo mais, tem expectativa de vida maior, daqui a 10 anos teremos que aumentar novamente a alíquota, mexer novamente”, disse.

 

“Precisamos buscar outro recurso. Eu defendo que o dinheiro fruto da corrupção, recuperado pelos órgãos públicos, venha para o caixa da Previdência para a gente ter um caixa tranquilo e não tenhamos mais esse problema de Previdência pelos próximos anos”, completou.

 

Como a população felizmente está vivendo mais, tem expectativa de vida maior, daqui a 10 anos teremos que aumentar novamente a alíquota, mexer novamente

Situação dos aposentados

 

De acordo com o presidente da Assembleia, a comissão formada pelos deputados para discutir a situação da contribuição previdenciária dos aposentados e pensionistas – cuja proposta de isenção até o teto do INSS foi vetada pelo Governo do Estado e mantida pelo Legislativo – deve apresentar uma solução para o caso já em março.

 

“Acredito que vamos avançar nessa questão porque tem um entendimento do governador que quer realmente procurar uma opção alternativa”, afirmou.

 

Russi destacou que o Governo já se prontificou a encaminhar um projeto que beneficie os servidores inativos portadores de doenças graves e terminais.

 

“A gente vai aguardar a chegada para fazermos a avaliação e darmos esse benefício para a parcela da população de servidores aposentados que realmente precisam ser atendidos”, disse.