O secretário municipal de Mobilidade Urbana de Cuiabá (Semob), Antenor Figueiredo, defendeu que a fiscalização eletrônica no trânsito deixe de ser encarada como uma “indústria da multa”. De acordo com ele, os equipamentos ajudaram a reduzir em até 50% os acidentes com mortes na Capital.

Antenor falou sobre os novos radares instalados na Capital, em entrevista para Rádio CBN Cuiabá, na quinta-feira (11).

O novos aparelhos trabalham com duas câmeras, que aferem a velocidade média do veículo.

Nós estamos colocando aparelhos de tecnologia avançada por conta da resolução Conselho Nacional de Trânsito. É falso que os radares pegam a velocidade a 500 metros

De acordo com o secretário, Mato Grosso está entre os 15 estados com mais mortes no trânsito. Em 2020, conforme Antenor, foram 428 acidentes, sendo 382 com vítimas.

 

“Em todo lugar existe [fiscalização eletrônica] e mesmo assim as pessoas continuam abusando da velocidade, que é o que mais mata no trânsito, depois a bebida alcoólica. Então, o que precisamos fazer é tentar inibir essas pessoas. Hoje escutei um locutor de rádio falando que a parte mais sensível do corpo é o bolso, então realmente as pessoas respeitam”.

Para o titular da Semob, a população precisa encarar a fiscalização eletrônica como uma forma de preservar vidas. Ele explicou que, na Avenida Miguel Sutil por exemplo, motoristas já foram flagrados dirigindo a 180 km/h.

“Nós estamos colocando aparelhos de tecnologia avançada por conta da resolução Conselho Nacional de Trânsito. É falso que os radares pegam a velocidade a 500 metros”, disse.

Antenor também ressaltou que o número de motoristas que desrespeitam as leis de trânsito é de 30%.

“Têm pessoas com 20, 30 multas, que só vão pagar no ano que vem quando forem tirar o documento do veículo. Precisamos mudar o conceito de que radares são indústria da multa, isso já passou. Convido para irem à Semob, para ver o tanto que reduziram os acidentes. Os números estão lá, temos imagens gravadas. Todo o País está caminhando para fiscalização eletrônica”.