O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou que os atendimentos do Centro de Triagem Covid-19, montado na Arena Pantanal, deverão ser interrompidos aos sábados a partir desta semana, em razão da queda na procura pelo atendimento por parte da população.

“Neste sábado [15], a gente já interrompe os atendimentos, porque a procura hoje já é 50% a menos do que tínhamos no ápice da pandemia. Mas vamos continuar atendendo de segunda a sexta”, afirmou, em entrevista à rádio Vila Real FM.

A ideia do Estado é passar a reduzir o atendimento gradativamente, conforme o secretário.

“A partir dos outros dias, dependendo do ritmo, da necessidade, vamos passar a atender, por exemplo, só às segundas, quartas e sextas, até o ponto em que, efetivamente, se interrompa os serviços na arena”, disse.

Figueiredo salientou que desde a montagem do espaço, no início da pandemia, o Estado frisou que se tratava de um serviço temporário de triagem.

De acordo com ele, um ano após o início da pandemia, já deu tempo de as prefeituras – principalmente de Cuiabá e Várzea Grande – estruturarem a rede de atenção básica de saúde para absorver a demanda, uma vez que a tarefa trata-se de uma obrigação municipal.

“Quando o Governo do Estado criou o Centro de Triagem, foi em socorro a uma atenção básica de saúde na Baixada Cuiabana que não estava funcionando bem, aonde era o epicentro da pandemia, aonde tinha o maior número de casos. E o Estado apareceu para preencher essa lacuna. Isso não é para ser um serviço perene [eterno]”, explicou.

Desafogamento de hospitais

Conforme Figueiredo, a redução dos atendimentos na Arena Pantanal é uma tendência natural até mesmo para que os trabalhos nos hospitais de responsabilidade do Estado possam ser retomados e intensificados.

“É preciso alertar para esse aspecto. Nós temos uma série de programas de responsabilidade do Governo do Estado que precisa entrar em curso e, para isso, a gente tem que desafogar hospitais e buscar o atendimento das cirurgias eletivas”, disse.

De acordo com o secretário, o Estado acabou sobrecarregando os hospitais durante a crise sanitária em razão de não apenas ser referência para o tratamento da doença, como também por absorver um serviço de triagem que não deveria ser feito nesses locais.

“As prefeituras de Cuiabá, Várzea Grande e outros municípios precisam se preocupar com a estrutura de atendimento, que é o primeiro ponto de entrada de um paciente suspeito de Covid, porque os nossos hospitais são referência para tratamento, não para fazer triagem”, afirmou.

“A gente sobrecarregou os hospitais com esse atendimento. Hoje, na Arena Pantanal, tem paciente que vai fazer uma triagem e já é encaminhado diretamente para o hospital porque chega em estado grave e não consegue ter um atendimento primário em rede básica de saúde em Cuiabá”, criticou.