A decisão dos ex-prefeitos Dilceu Rossato (PSL), de Sorriso; Mauro Mendes (DEM), de Cuiabá; e Otaviano Pivetta (PDT), de Lucas do Rio Verde ocuparem o mesmo palanque, no pleito deste ano, está praticamente sacramentada. Depende do resultado da pesquisa de opinião pública sobre tendência do eleitorado, a ser realizada na próxima semana; e, também, do aval do ex-senador Jayme Campos (DEM), principal líder do grupo.

Amigos de longa data e vizinhos, Otaviano Pivetta  e Dilceu Rossato já estão fechados de que irão marchar juntos, nas eleições de 2018. Ambos são pré-candidatos ao governo de Mato Grosso, mas é forte a tendência de que abram mão da candidatura para fechar com Mauro Mendes, que chega de viagem internacional na próxima segunda-feira (11).

Os pré-candidatos do PDT e PSL já vinham namorando há tempos, antes de anunciarem o ‘noivado’, nesta terça-feira (5). Eles vão continuar as consultas a possíveis aliados. Rossato observo que é certo a unificação do palanque com Pivetta e Mendes.

Em 2016, Pivetta e Rossato foram os candidatos a prefeito mais ricos de Mato Grosso, mas, embora favoritos no início da corrida sucessória, ambos perderam a reeleição em seus municípios.

Mesmo sem vitória nas urnas, Pivetta e Rossato saíram de suas gestões com ótima avaliação dos eleitores, em dezembro de 2016. “Estou certo que vou disputar o Governo de Mato Grosso e preciso montar uma equipe com quadros como Dilceu Rossato, que tem capacidade política e técnica para mobilizar prefeitos e produtores rurais em busca de melhorais para Mato Grosso”, argumentou Pivetta.

Jayme Campos é quem não tem demonstrado muita empolgação com o projeto. No mês passado, desautorizou publicamente Mauro Mendes a fechar compromissos “sem ouvir o DEM”.

Historicamente, o comando do Democratas está em mãos de Jayme e seu irmão, ex-governador Júlio José de Campos. É do domínio público que o próprio presidente regional do DEM, deputado federal Fábio Garcia, sempre “pede a benção” de Jayme e Júlio, antes de encaminhar as discussões partidárias.

“Nós continuamos debatendo. Um de nós vai recuar para apoiar o outro. A decisão final será tomada no final de semana. Mato Grosso precisa de unidade e desprendimento”, complementou Rossato.

Também são pré-candidatos ao governo de Mato Grosso, em 2018, o governador José Pedro Taques (PSDB)   e o senador Wellington Fagundes (PR).