logo

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, garantiu que o governo de Mato Grosso não teme a extensão da CPI da Pandemia para investigar o governo Bolsonaro, os governadores e prefeitos.

A CPI deve ser instalada nesta semana após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), cumpra o regimento interno e instaure a comissão. O senador Eduardo Girão (Pode-ES) afirma que já tem assinaturas suficientes para ampliar a CPI aos estados. “A prestação de contas em relação aos recursos que vieram para o combate à pandemia está sendo controladas diariamente. A qualquer momento podem ser apresentados para os órgãos de fiscalização. Não tem problema nenhum. Tudo o que o governo de Mato Grosso fez até agora foi da melhor forma possível, transparente”, disse Carvalho na segunda-feira (12) em entrevista ao programa Tribuna da Vila Real FM.

O titular da Casa Civil garante que o Estado conseguiu comprar testes rápidos mais baratos do Brasil, assim como respiradores e medicamentos e insumos. “Em relação a isso estamos plenamente tranquilos e abertos, pois há transparência total em relação a todos os recursos que vieram”, garante.

“Estamos prontos pra entregar essa documentação a quem for de direito. Até porque o Portal Transparência tem todos os gastos da pandemia”, completou.

O presidente Jair Bolsonaro tem reclamado da criação da CPI e começou a atacar ministros do STF, afirmando que o Senado deveria instalar o pedido de impeachment contra ministros da Corte Suprema.

Neste fim de semana foi divulgada uma ligação de Bolsonaro ao senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), em que ele pede para mudar o foco da CPI para investigar governadores e prefeitos, além de dizer que “sairia no soco”, com o senador Randolfe (Rede-AP), que foi o autor do pedido no STF para que a presidência do Senado instalasse a CPI.