logo

A semana parece longe de terminar para o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). A vereadora de oposição, Michelly Alencar (DEM) denunciou, nesta quarta-feira (12), que um médico e uma enfermeira lotados da Unidade Saúde da Família do bairro Novo Colorado nunca foram vistos no local.

Depois de receber uma denúncia sobre servidores que estão no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e não aparecem para trabalhar, a vereadora acionou o Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) para acompanhar a fiscalização in loco.

Um dia antes, a Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor) deflagrou a Operação Autofagia, que cumpriu 5 mandados de busca e apreensão, além do afastamento do coordenador de Saúde Bucal de Cuiabá e mais dois dentistas. O grupo cobrava “devolução” de parte do salário a colegas transferidos.

Segundo as investigações, o coordenador de Saúde Bucal da Secretaria Municipal de Saúde facilitava a transferência de dentistas para unidades em que o salário era maior. Depois da transferência, o coordenador e mais dois dentistas passavam a ameaçar os servidores para que devolvesse parte dos subsídios recebidos no salário.

“A situação é grave. O município de Cuiabá recebe do Ministério Saúde recursos por esses servidores. Pelo sistema, é como se eles estivessem atendendo a população, como se essa vaga de médico estivesse ocupada. Mais uma vez quem sofre é a população”, acusou a democrata.