logo

A Norge Pharma, empresa que administra o Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos (CDMIC) negou o recebimento de R$ 11 milhões pelo contrato celebrado com a Prefeitura de Cuiabá para fazer a gestão dos medicamentos adquiridos pelo município.

De acordo com o diretor da empresa, Dirceu Luiz Pedroso Júnior, desde o início do contrato, em fevereiro do ano passado, a empresa recebeu, já somando os valores recebidos a partir da renovação ocorrida em janeiro de 2021, a quantia de R$ 7,9 milhões brutos. As informações foram prestadas à CPI dos Medicamentos Vencidos, na Câmara Municipal.

“Ainda existe uma dívida em notas fiscais não pagas pela prefeitura que ultrapassa o valor de R$ 3,4 milhões”, apontou. Alvo da CPI dos Medicamentos Vencidos e de uma ação do Ministério Público Estadual (MPE), a empresa afirmou estar havendo uma grande confusão sobre a responsabilidade dos fatos.

Pelo contrato firmado, a Norge Pharma é responsável apenas pela armazenagem, controle e distribuição dos medicamentos às unidades de saúde e hospitalares, porém não tem envolvimento na compra de remédios.

Recentemente foram encontrados centenas de remédios vencidos dentro do CDMIC, entretanto, o diretor informou que esse medicamento foi adquirido antes da empresa assumir a gestão em 2020 e informaram antecipadamente a SMS sobre tais vencimentos.

“Quando passamos a atuar no Centro de Distribuição fizemos um levantamento do estoque e esses remédios já estavam lá e pode ser verificado por meio das notas fiscais de compra. Não podemos descartar sem a autorização da prefeitura”, disse.

A empresa esclareceu ainda que não atua na compra de medicamentos e que, desde o início do contrato, esse tipo de falha não ocorreu novamente.

“Nós fazemos um controle rigoroso. Avisamos a Secretaria de Saúde de como está o estoque e a necessidade de compra, com quantidade estimada, conforme vai precisando. Além disso, em casos excepcionais, autorizados pela secretaria, são formalizados termos com as distribuidoras para que haja a troca de remédios que estiverem perto do vencimento”.

Aos vereadores, o diretor ressaltou que continua à disposição da CPI para fornecimento de materiais e dados para o esclarecimento dos fatos. “Somos uma empresa que atua nesse mercado há mais de 15 anos e temos hoje mais de 40 funcionários trabalhando somente na operação logística para a Secretaria de Saúde”, finalizou. Recentemente a Norge Pharma teve o contrato prorrogado junto à Prefeitura de Cuiabá até janeiro do próximo ano.