Ainda que haja 116 pessoas na fila de espera por um leito de UTI em Mato Grosso, e a taxa de ocupação dos leitos esteja em 91,19%, diversas atividades econômicas começam a volta praticamente à sua normalidade nesta segunda-feira (12.04) em Cuiabá. É o caso das aulas nas escolas privadas, que serão ministradas aos alunos de forma híbrida. Os professores devem comparecer às unidades diariamente.

Cuiabá deixou a lista de cidades com classificação “muito alta” de contágio pela covid-19 no dia 6 de abril e passou a figurar entre as que estão com “risco alto”, o que automaticamente retira a exigência de que se faça quarentena coletiva obrigatória, de acordo com o decreto estadual. Também não é necessário fazer barreiras sanitárias e demais ações mais restritivas.

A mudança de classificação deu força à Prefeitura de Cuiabá, que já vinha cumprindo ordens judiciais de restrições a contragosto. O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) é contra isolamento social sob o prisma de que há graves consequências como desemprego, fome e colapso econômico. Após um ano de pandemia sem que tenha sido concluída a vacinação e com sistema de saúde fragilizado, a tendência é que os casos voltem a subir nos próximos dias.

Sem queda no número de novos infectados, o último boletim apontou que Mato Grosso chegou a 8.575 óbitos por covid desde o início da pandemia. De acordo com os registros, foram 45 somente nas últimas 24 horas. O número de casos confirmados chegou a 329.564, indicando 759 novas confirmações neste domingo (11.04).

Na última sexta-feira (09.04), o prefeito liberou o funcionamento das atividades comerciais. O ato consta no Decreto nº 8.388, que entrou em vigor no sábado (10.04) e é válido até o dia 25 de abril. Ainda que o comércio em geral volte a funcionar, permanece o toque de recolher entre as 21h e as 5h, de segunda-feira a domingo.

Também voltam a funcionar os shoppings e academias em condomínios de Cuiabá, playgrounds, lojas de roupas, calçados, armarinhos, revendedoras de veículos e ampliação no horário de atendimento das lojas de conveniência instaladas em postos de combustíveis, que agora podem funcionar das 5h às 20h. Aos sábados, será entre as 5h e 12h.

Dos sete hospitais públicos que atendem pacientes com covid-19 em Cuiabá e Várzea Grande, todos estão com taxa de ocupação acima de 82% em leitos de UTI. Existem 861 pacientes em UTIs e 1.234 em enfermarias, que possuem taxa de ocupação de 58%.

O Hospital e Pronto Socorro de Várzea Grande possui 10 leitos de UTI que estão 100% ocupados; o Hospital Universitário Júlio Muller tem oito leitos, também todos ocupados; o Hospital e Maternidade Santa Rita possui 25 leitos de UTI, mas somente um está desocupado.

No Hospital Estadual Santa Casa, dos 50 leitos de UTI, apenas três estão disponíveis, assim como no Metropolitano, que também tem apenas três vagas em um total de 109 leitos. A falta de leitos também ocorre no Hospital Referência Covid-19, em Cuiabá, que possui 9 leitos, do total de 80, e no Hospital São Benedito, que dos 60, apenas 10 estariam liberados para novas internações.

Todos os dados citados foram retirados do Painel Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SEM-MT), nesta segunda-feira (12.04). Confira as medidas a serem seguidas por cidades que têm risco “alto” de contágio.

 proibição de qualquer atividade de lazer ou evento que cause aglomeração;

–  proibição de atendimento presencial em órgãos públicos e concessionárias de serviços públicos, devendo ser disponibilizado canais de atendimento ao público não-presenciais;

– adoção de medidas preparatórias para a quarentena obrigatória, iniciando com incentivo à quarentena voluntária e outras medidas julgadas adequadas pela autoridade municipal para evitar a circulação e aglomeração de pessoas.