O presidente Jair Bolsonaro reuniu centenas de motociclistas para um passeio em Brasília na manhã deste domingo (9). O chefe do Executivo recebeu os apoiadores no Palácio do Alvorada e liderou o comboio.

Durante a semana, Bolsonaro afirmou que esperava mais de 1.000 motociclistas no ato político e que “todo mundo tem o direito de ir e vir”.

“Talvez no domingo, não está certo, mas estou convidando os motociclistas para 9h aqui a gente dar uma volta em Brasília. Vai juntar mais de 500, estou achando. A gente não vai estar indo para comunidade porque eu acredito que mais de 1.000 motos vão se fazer presentes. Estou muito feliz. Pessoal quer me acompanhar em um passeio. Todo mundo tem o direito de ir e vir”, disse o presidente, na última terça-feira, em sua tradicional conversa matutina com apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada.

O ato ocorre em meio ao período mais turbulento de sua gestão, em função da à CPI (Comissão Parlamentar de Inquéritp) da Covid do Senado. Irritado, o presidente tem atacado parlamentares, como na última quinta-feira durante live semanal e na sexta, em postagem em rede social.

Na última semana, foram ouvidos no colegiado os ex-ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, que relataram pressão do governo federal em adotar o tratamento precoce contra a covid-19, com uso de remédios sem comprovação científica, como hidroxicloroquina, cloroquina e ivermectina. Também nesta semana foi colhido o depoimento do atual titular da pasta, Marcelo Queiroga.

Em relação ao passeio de hoje de manhã, o presidente citou o direito de ir e vir em alusão às medidas de isolamento social promovidas por governadores e prefeitos. Na semana passada, ele ameaçou baixar um decreto para impedir decisões sobre quarentena e lockdowns de governos regionais.

Uma banda militar esteve no Alvorada para abrir e encerrar o evento. No encerramento, o presidente, que estava sem máscara e aglomerado junto aos apoiadores, disse que o ato se tratava de uma homenagem ao Dia das Mães e se repetirá em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

O presidente destacou ainda que a pandemia, que já matou mais de 420 mil brasileiros, é um problema do “passado” e repetiu que as Forças Armadas não serão usadas para cumprir os decretos de distanciamento social de governadores e prefeitos.

“Tivemos problema gravíssimo no passado, algo que ninguém esperava, a pandemia. Mas aos poucos vamos vencendo. Podem ter certeza, como chefe supremo das Forças Armadas, jamais o meu Exército irá às ruas para mantê-los dentro de casa”, disse Bolsonaro.

Durante o discurso, ele também voltou a defender o voto impresso.

Dia das Mães

Para celebrar o Dia das Mães, antes da carreata, o presidente postou uma foto com sua mãe, Olinda Bolsonaro. “Feliz Dia das Mães. Obrigado, sra. Olinda”, escreveu o presidente.