Apesar dos comentários de Joe Biden contra a política ambiental de Jair Bolsonaro e a torcida do presidente brasileiro pela reeleição de Donald Trump, o novo governo americano afirma que não terá uma política externa “agressiva” em relação ao Brasil e que o país segue sendo considerado um aliado de Washington em âmbito internacional.

Em entrevista à BBC News Brasil, a porta-voz do Departamento de Estado americano para a América Latina, Kristina Rosales, afirmou que “conforme vão mudando os governos de um país ou de outro, vai haver uma mudança de prioridades. É normal. Mas isso não significa que porque o governo e as prioridades mudaram, a relação com o país que tem um governo com prioridades distintas vai ser completamente destruída, ou que vai mudar de forma a não haver mais possibilidade de aliança”.

Nesta quinta-feira (11/02), após três semanas de gestão Biden, o chanceler Ernesto Araújo e o secretário de Estado americano Tony Blinken deram o primeiro passo na relação em alto nível entre os governos.

“Tive hoje longa e produtiva conversa com o Secretário de Estado Antony Blinken. Agenda 100% positiva. Ficou claro que há excelente disposição e amplas oportunidades para continuarmos construindo uma parceria profunda entre o Brasil e os Estados Unidos”, anunciou Araújo via Twitter.