O empacado VLT, este grande vexame nacional, que acabou ficando inviável pela incompetência de uns e pela corrupção de outros, já está praticamente “enterrado”, porque a decisão agora é por um novo modal de transporte coletivo, o BRT, o ônibus de trânsito rápido. Mas vem mais problemas por aí.

 

É que os ônibus novos adquiridos recentemente tanto em Cuiabá como em Várzea Grande, não são adequados para a operação do BRT, porque não são adequados e incompatíveis com as estações e os terminais que serão construídos. A informação é da Secretaria de Infraestrutura do governo de Mato Grosso, destacando que as prefeituras sabiam das especificações necessárias.
O prefeito Emanuel Pinheiro quando fez a entrega de 144 ônibus novos, afirmou que eles estavam adequados se o sistema escolhido fosse o BRT. Mas pelas informações da Sinfra, os veículos não estão adaptados para o novo modal a ser construído. Mais uma vez a população poderá ser prejudicada pela insensatez dos políticos. A verdade é que o fim do VLT é uma estrondosa derrota para o prefeito de Cuiabá, que não se cansa da briguinha particular com o governador Mauro Mendes.