A paralisação dos caminhoneiros entrou no seu nono dia, nesta terça-feira (29) e ainda parece não ter data para terminar. Os manifestantes continuam parados em pelo menos 30 trechos de rodovias federais em Mato Grosso, onde os caminhões são proibidos de circular. A Polícia Rodoviária Federal (PRF), Exército brasileiro e forças de segurança do Estado continuam a fazer a escolta de combustível e produtos básicos para as cidades mato-grossenses.

Desde a semana passada que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) não divulga mais os trechos em que há a interdição dos caminhoneiros. O órgão explica que nestes locais não há interdições totais, sendo impedidos de seguir viagem apenas os caminhões.

Por conta do fato, o transporte público, postos de gasolina, supermercados e vários outros setores foram prejudicados. O combustível voltou a ser reestabelecido na última segunda-feira (28), quando vários caminhões conseguiram descarregar em estabelecimentos de Cuiabá e Várzea Grande.

No domingo, Temer anunciou novas medidas em mais uma tentativa de por fim à paralisação dos caminhoneiros. Entre elas está a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel por 60 dias, e a isenção de pagamento de pedágio para eixos suspensos de caminhões vazios. Durante o pronunciamento, foram registrados panelaços em vários Estados.

Esta redução de R$ 0,46 no preço do diesel custará ao governo R$ 10 bilhões. Conforme o Palácio do Planalto, os recursos serão cobertos pelo Tesouro via crédito extraordinário. O movimento do governo, porém, não surtiu efeito, e os caminhoneiros mantiveram a paralisação.

Já o governador Pedro Taques anunciou o congelamento do Preço Médio Ponderado a Consumidor Final (PMPF) de Combustíveis, que irá provocar a redução em R$ 0,17 no valor do diesel em Mato Grosso, na tentativa de amenizar os problemas vividos com a greve dos caminhoneiros.

“O Estado de Mato Grosso solicitou junto ao Confaz que nós possamos adiar o PMPF de 15 de junho para um mês, vamos fazer um preço de pauta do diesel, mesmo de 15 de maio. Isso dá um desconto de R$ 0,17 na bomba só nos esforços dos 12 estados. Foi um pedido que Mato Grosso fez ao Confaz”, anunciou o governador Pedro Taques (PSDB).

A mobilização foi proposta pela Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e iniciou na manhã da última segunda-feira (21). Em razão dos pesados impostos e do baixo valor dos fretes, a categoria afirma que enfrenta uma grave crise e articula ações em todo o país para evidenciar o descontentamento com a atual política econômica. A PRF mantêm o diálogo com os caminhoneiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here