O Livre

Quase 40% das vacinas contra a covid-19 recebidas por Mato Grosso podem ainda não terem sido aplicadas mais de doses meses após o início da campanha nacional. A situação foi apontada pelo médico sanitarista e deputado estadual Lúdio Cabral (PT).

Segundo ele, o cruzamento dos dados disponíveis pelo Ministério da Saúde, sobre andamento da vacinação, com números da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) aponta que só 60% das doses distribuídas aos municípios tinham sido aplicadas até quinta-feira (25). 

O balanço divulgado nessa sexta-feira (26) pelo parlamentar aponta que 393.060 doses de vacinas – CoronaVac e AstraZeneca – foram recebidas por Mato Grosso, e desse total 205.464 doses foram aplicadas. 

Outras 55.575 estão reservadas para a segunda dose e 132.021 não tinham sido aplicadas. Esse número sem identificação de uso representa 39,1% das doses recebidas. 

A maioria das vacinas não aplicadas é da CoronaVac. Cerca de 85 mil doses para a primeira aplicação não tinham sido utilizadas até 25 de março. Das 52.315 doses da AstraZeneca, todas destinadas à primeira aplicação, 12.492 não tinham sido aplicadas. 

O deputado disse que o atraso na imunização tem a ver com problemas na logística de distribuição de doses quando chegam a Mato Grosso e também com a centralização da campanha em postos únicos. 

“É preciso organização e eficiência na vacinação. Além da quantidade escassa adquirida e enviada pelo governo federal, há demora entre a chegada da vacina a Mato Grosso e a distribuição aos municípios, e mais demora depois que a vacina chega aos municípios”, disse Lúdio.